Respondendo com palavras e obras

Tudo quanto fizerdes, por palavra ou por obra…(Cl 3,17)

Sobre os anos de Jesus em nossa terra o livro dos Atos dos Apóstolos apresenta uma definição simples e bastante completa: passou fazendo o bem (cf. At 10,38). Ele mesmo, ao apresentar-se na sinagoga de Nazaré, resume a sua missão como um estar no mundo para favorecer os homens, especialmente os mais infelizes: «O Espírito do Senhor está sobre mim, porque me ungiu; e enviou-me para anunciar a boa nova aos pobres, para sarar os contritos de coração, para anunciar aos cativos a redenção, aos cegos a restauração da vista, para pôr em liberdade os cativos, para publicar o ano da graça do Senhor» (Lc 4, 18-19). O modo concreto do serviço prestado pelo Mestre revela também a maneira como Ele quer ser servido nos seus discípulos, pois todo discípulo perfeito será como seu mestre (cf. Lc 6,40). O nosso testemunho de Cristo se dá em palavras e em obras. As palavras recebem força das obras e as obras traduzem aos olhos atentos o que as obras escondem. Nenhum testemunho verdadeiramente cristão pode eximir-se desse dinamismo de palavras e obras, que tem sua explicação última na Encarnação do Verbo.

Ao longo de toda a história da salvação foi esse o sistema adotado pelo Pai: falar aos homens de modo que eles possam entender. Por isso a linguagem de Deus é áudio-visual: fala e se manifesta através das obras. Agindo assim preparava uma manifestação definitiva de se amor por nós, falando-nos em primeira pessoa através do seu Filho, o Verbo eterno que no tempo se encarnou no seio da Virgem Maria.

Quando o discípulo testemunha o Mestre em palavras e com obras identifica sua ação com a do próprio Cristo e dela haure a eficácia salvadora que o testemunho cristão tem, aquela de ser sementes de novos cristãos.

Como desse modo o cristão transmite Cristo, assim deve estar embebido da Palavra a tal ponto de estar embriagado dela através da escuta atenta do Senhor na Palavra, na Igreja, nos outros e nos acontecimentos. É condição indispensável de todo trabalho apostólico a oração: aquilo que se recebe na oração, entrega-se no apostolado. Ela é a alma de todo apostolado.

No entanto uma oração que não se traduzisse em obras concretas, em amor encarnado no quotidiano, certamente mostraria que o orante não teve o encontro na sua oração, porque não saiu dela transformado e sujeito de transformação no seu ambiente. Palavra e ação é o binômio que explica a ação sacramental da própria Igreja e o testemunho diário de cada cristão que, ao encontrar-se com Cristo, foi totalmente transformado por Ele.

Revê a tua Palavra e a tua ação e vê se estão inspiradas no Verbo de amor que na cruz que se doou. Foi lá na Cruz onde se deu a mais bela síntese de palavra e ação. Após pronunciar as palavras de entrega na Última Ceia, Jesus não demorou a subir ao Calvário para que sua palavra não caísse no vazio. Se anuncio tenho que me entregar àqueles que estão junto de mim e necessitam de minhas mãos abertas e ofertando com generosidade.

Senhor, que eu me dedique a buscar uma coerência inabalável na vivência da minha fé.