O chamado e a experiência da Providência

Traz-me um pouco de água e um pedaço de pão (cf. 1Rs 17)

Depois que os céus foram fechados sob a ordem do profeta Elias, Deus escolhe um caminho diferente para que o seu servo experimente a sua proteção e a confirmação de sua missão.

A providência manifestar-se-á mediante uma pobre viúva a quem Deus dá a incumbência de sustentar Elias enquanto durar o período de seca estabelecido por Deus.

A viúva terá que dar ao enviado de Deus até mesmo aquilo que ela considera inestimável para a sobrevivência do seu único filho.

Desse modo ela é nós aprendemos o valor que Deus atribui àqueles que se decidem por realizar o chamado que Deus lhes faz. Deus considera enormemente a vida de seu profeta.

Quando Deus chama é preciso responder imediatamente sem estar preocupados com aquilo que se pode perder.

O profeta sabia que ao fechar o céu também ele sofreria as conseqüências do seu profetismo, no entanto simplesmente segue aquilo que Deus lhe diz. Desse modo é surpreendido ao perceber que o Senhor tomou cuidado de que ao seu enviado não faltasse coisa alguma, como de fato ocorreu.

O que acontecerá conosco após termos respondido ao chamado divino não deverá nos preocupar, pois sabemos que Deus não se deixa vencer em generosidade quando se é generoso com Ele.

A eleição divina não é simplesmente funcional, como já temos falado tantas vezes; ela é também um modo concreto de experimentar-se o amor de Deus, portanto, Deus não deixa sem cuidados aqueles que ele escolheu para si.

Por outro lado, o episódio do profeta Elias nos faz ver quanta graça está reservada para aqueles a quem somos enviados.

Na verdade, eles recebem muito mais do que nos dão, pois recebem o próprio Deus em suas vidas e, com isso, já não carecem de nada mais. Vemos na história do profeta que precisamente por sua causa, salvará da miséria a viúva que já não tinha esperanças para continuar em vida, juntamente com seu filhinho, pois a seca durou muito tempo.

Da nossa resposta generosa ao chamado de Deus estão condicionadas muitas bênçãos na vida de tantas pessoas. Algumas chegaremos até mesmo a constatar, porém a grande maioria nem sequer seremos capazes de dimensionar.

É certo que Deus nos escolha por causa de nós, mas também dessa escolha se beneficiam tantas pessoas. Somos, por assim dizer, parte da divina providência para a vida de muitas pessoas. Se aquela viúva não acolhesse o homem de Deus certamente teria morrido, juntamente com seu filho.

Como ela foi parte da providência para Elias, também Deus quis que Elias fosse manifestação da sua providência para ela. Desse modo há uma reciprocidade onde todos acabam alegrando-se com os benefícios de Deus. Quando alguém se entrega prá valer acaba percebendo ao seu redor tantas maravilhas divinas que vão acontecendo.

Senhor, que eu não me recuse jamais a entrar a fazer parte desse processo da tua providência que ao escolher-me transformou a minha vida em uma fonte de bênçãos para tantos irmãos e irmãs.