Chamado para ser enviado

Chamado a ser apóstolo (Rm 1,1)

O Apóstolo São Paulo louva Deus ao reconhecer a grande graça que lhe fez, chamando-o ao serviço do Evangelho na qualidade de apóstolo.

O apostolado traz consigo a certeza de que ao ser chamado por Deus, ao mesmo tempo se é capacitado. O apóstolo é alguém enviado com a consciência de que está revestido de autoridade para a missão. Ele não se candidata a nenhum trabalho, simplesmente é escolhido e capacitado para aquilo que Deus espera dele.

No contexto dos evangelhos os apóstolos são as testemunhas privilegiadas, “escolhidos de antemão” (At 10, 41) e “separados” (Rm 1,1) para serem “ministros da palavra” (Lc 1, 2) e “fundamento” da Igreja (Ef 2, 20-21). Cristo os chamou, convocou-os, para que estivessem com ele, para que fossem seus companheiros de viagem, os ouvintes de sua palavra, as testemunhas de suas ações. Sua missão é uma participação na missão que Cristo recebeu do Pai.

De sua parte consideram-se simplesmente testemunhas. Percebem a missão como um imperativo de não calar aquilo que viram e ouviram (cf. At 4,20).

Se, por um lado, são enviados com a autoridade de Cristo, por outro lado, sentem-se totalmente envolvidos com a obra de Cristo que experimentam um apelativo interior que os obriga interiormente a evangelizar. A tal ponto vêem-se comprometidos com a Boa-nova de Cristo que com S. Paulo exclamam: «Ai de mim se eu não evangelizar» (cf. 1Cor 9,16).

Todo batizado sabe que não apenas recebeu o chamado à vida cristã para si. Mas que ele também responde ao convite de Cristo por causa de seus irmãos. Não é por razões poéticas que Jesus declara seus seguidores como luz do mundo e sal da terra (cf. Mt 5,13-14). Ao contrário, adverte-os sobre o lugar fundamental e irrenunciável que ocupam no mundo.

Portanto, cada um deve reconhecer-se convocado para realizar uma missão bem concreta a favor do mundo e do tempo que lhe correspondeu viver. Este mundo tem dimensões bastante concretas naquelas linhas marcadas pela realidade de cada um: família, amigos, ambiente de trabalho, lazer, escola, universidade, etc.

Dentro desse mundo recebemos o chamado ao apostolado, a anunciar a Cristo sem medo e com decisão. Um luz se acende para colocá-la num lugar que ilumine a todos, essa é a sua função e essa é a sua glória.

Um cristão que não irradie a luz que recebeu no seu batismo – luz de Cristo – mostra que ainda não foi capaz de colocar-se decididamente no seguimento de Cristo, ainda não é suficientemente maduro, porque está demasiado apegado a si mesmo. Uma vez que se escolheu seguir Jesus, deve também estar comprometido com o seu testemunho em todos os ambientes onde nos encontramos.

Desse modo o campo da missão vai-se estendendo a confins até então inalcançáveis e Cristo vai penetrando, desse modo, todo os ambientes, acontecendo assim a dilatação do seu Reino de amor, de justiça, de santidade e de paz.

Senhor, não quero esconder aquela luz que um dia foi acesa em minha vida…quero dar sabor ao mundo onde estou e assim sei que vou descobrindo ainda com mais profundidade todo o alcance da minha vocação, ser testemunha do amor.