A humilde serva do Senhor

Faça-se em mim segundo a tua palavra (Lc 1,38)

Antes de pronunciar essas palavras Maria se chamara «a escrava do Senhor».

Esta é a definição que Maria tem de si mesmo.

No mesmo evangelho chamam-na os homens de Maria, Deus a conhece com o nome de cheia de graça e, finalmente, o nome que ela escolhe para si: escrava do Senhor.

A situação constituinte da vocação é oferta por Deus, mas ao mesmo tempo tem que se transformar em escolha pessoal, íntima, refletida. Quando alguém elege a disponibilidade para o serviço do Senhor tem que saber-se escravo, isto é, entrar no grupo dos anawins do Antigo Testamento, pertencer somente ao Senhor e d’Ele receber tudo.

Quem deseja colocar-se a serviço de Deus tem que deixar que Deus o experimente: prepara o teu coração para a prova…sofre as demoras de Deus (cf. Eclo 2).

O escravo não tem vontade própria, não escolhe trabalho, não pode ir atrás de seus gostos. Simplesmente deixa fazer.

Por isso mesmo se vê a coerência do sentido que Maria tem de sua vocação quando, ao abandonar-se em escravidão ao plano misterioso de Deus, diz «faça-se em mim segundo a tua palavra».

Maria, a serva do Senhor, aceita plenamente a sua Palavra, cooperando ativamente e de modo imediato à obra de Deus que o anjo anunciava. Dá um sim livre e consciente à concepção humana do Filho de Deus e vive, desse modo, aquele abandono grandioso que a fé pede.

Nela se cumpre fisicamente a Palavra de Deus. Torna-se, de agora em diante, portadora da Boa-Nova da salvação que Deus havia escondido no seu coração e que, agora, chegada a plenitude dos tempos, revelava através da humilde serva do Senhor.

Acolher a Palavra no coração e na vida: eis a grande lição que aprendemos do chamado de Maria. Gerou durante toda a sua vida a Palavra no seu coração e, por graça e eleição divinas, tornou-se sua Mãe.

Não é essa também a nossa missão? Não nos diz Jesus que temos que tornar-nos seus parentes quando diz que mãe e irmãos seus são aqueles que fazem a vontade do Pai que está nos céus? (cf. Mc 3,34).

Desse modo, todo aquele que se torna imitador de Maria, buscando em tudo a vontade de Deus, conseqüentemente possui uma proximidade muito grande de Jesus. A tal ponto isso é verdade que Jesus os identifica como parentes muito próximos: mãe e irmãos seus.

Jesus se compreende como aquele que faz em tudo a vontade do Pai: esse é o seu maior desejo (cf. Hb 10,7).

Assim, aprendemos com a Virgem Maria que a realização daquele que recebeu um chamado não tem nada a ver com compensações egoístas, mas é um verdadeiro lançar-se integralmente na busca da realização do querer divino.

Pode-se dizer que é um verdadeiro e próprio casamento, uma aliança para realizar a Palavra divina que é-nos enviada para que Deus, através da nossa humilde colaboração, realize o seu desejo de salvação.

Ó humilde serva do Senhor, faze com que eu encontre na disponibilidade absoluta a Deus o verdadeiro sentido da minha vida e razão única de tudo aquilo que fizer de grande ou de pequeno nesse mundo.